Filmes & Séries

O que Aprendi em Instinto Selvagem com o Poder da Sharon Stone

23/07/2021

Instinto Selvagem é um filme de 1993 que ficou famosíssimo pela cruzada de pernas da Sharon Stone. Desde criança tenho na memória essa imagem aqui embaixo, e provavelmente você também ja tinha visto ela por aí .

Pois bem, estava eu tranquila procurando algo pra assistir quando descobri o filme Instinto Selvagem na Netflix e resolvi assistir. Eu não fazia a menor ideia do que se tratava, só sabia mesmo era que tinha a Sharon Stone com um vestido branco dando uma baita cruzada de pernas. O que eu não sabia é que ela estava em um inquérito policial quando cruzou as pernas e que a cruzada era um belo dum FULL NUDE! Sim. Sharon em pelo 1993 colocou a pepeca pra jogo nas telonas por um micro e chocante segundo, e é por isso que essa cena é tão icônica.

sharon stone instinto selvage cruzada de pernas gif
Sharon Stone em Instinto Selvagem

Não sou crítica nenhuma de cinema, mas quis falar sobre esse filme porque a personagem que ela faz é sensacional! O filme em si bacana, envolve um mistério bem trabalhado, do qual vou falar mais lá no final do post, mas quis reservar esse post pra falar mais da Sharon mesmo, que fez esse filme ser o clássico que é.

Antes de tudo, vamos deixar um aviso ético por aqui: Eu não quero dar spoiler, é um filme que envolve crime, assassinato e mentiras. Tem muita cena de sexo e de sangue, aquele sangue bem anos 90, bem fake, que jorra pra todo lado, então chega até a ser meio cômico. Tem um cena de abuso bem incômoda também. Então deixando de lado a questão imoral/polêmica de alguns pontos do filme e da própria Catherine Tramell – personagem vivida pela Sharon, vim aqui apenas falar o quanto eu achei importante a personalidade da personagem, principalmente considerando-se a época do filme.

Sharon Stone em Instinto Selvagem

Bom, Sharon Stone tinha 34 anos de idade quando fez Instinto Selvagem, e deu vida à icônica Catherine Tramell. Catherine é uma herdeira milionária de 30 anos, psicóloga e escritora. Catherine é uma mulher muito segura de si e Catherine sabe exatamente o que fazer pra manipular lidar com os homens. Como eu disse, é uma personagem polêmica, mas que de certa forma me inspirou a ser mais segura de mim.

Catherine impressiona por ser um mulher poderosa, bonita, inteligente bem articulada. Ela responde todos os homens – quase sempre policiais que a pressionam de alguma forma – com uma calma, segurança e auto confiança bem admiráveis. Se alguém me perguntar ¨qual seu sonho de autoestima?¨ eu provavelmente mencionaria essa personagem. Catherine é uma mulher que ama sexo e não tem medo de julgamentos, nem de mostrar, nem de expressar.

Ela fala baixo, firme, e é tão segura de si que tem até um certo ar de deboche. E o mais incrível é que ela intimida: os homens respeitam, não julgam. É como se ela tivesse plena e total consciência do poder dela como mulher, loba selvagem, e soubesse fazer bom uso estratégico dele. Ela ainda tem dois poderes extras que e sociedade tenta tirar das mulheres a todo custo, que é a inteligência e a riqueza financeira e material. Ela não depende de ninguém nem de homem nenhum pra nada.

Catherine pra mim foi uma representação em tela que uma mulher poderosa, linda, feminina, inteligente, com dinheiro e principalmente, com noção do seu poder como mulher, pode o que quiser. Catherine veio pra mim como mais uma mensagem de que mulheres tem que lutar pela sua independência financeira e expressar sua autenticidade independente do que a sociedade espera do papel de uma mulher feminina.

O Final de Instinto Selvagem:

Gente aqui vem um Spoiler enorme, então não continue a leitura se você ainda não assistiu.

É um filme daqueles de final meio ambíguo, que vai te deixando pistas pelo caminho. Passamos uma parte do filme acreditando que Catherine é a assassina, até que entra a Beth em cena, cada uma contando sua versão da história a respeito de seus passados e ficamos em dúvida em relação a qual está contando a verdade e qual é a assassina.

Catherine é mesmo a assassina, e como a própria Beth disse, ela é brilhante! Tramou tudo contra a Beth e o filme da três dicas que comprovam isso.

1- Quando o Michael Douglas galã feio dos anos 90 entra no apartamento da Beth e ela diz que a porta está com problema na fechadura e não está fechando (provando que Cat entrou la pra implantar falsas evidências).

2- Quando a Cat termina o livro e o Michael Douglas lê a ultima página saindo da impressora e na página estava escrito ¨ E ele vai correndo em direção ao seu melhor amigo¨. Ela já tinha avisado antes que alguém tinha que morrer na história pro livro vender. Porém ela se apaixona pelo MD galãzão e mata o melhor amigo dele – o que muito me deixou chateada pq era um personagem muito massa. Ela fica bem irritada na hora e fala ¨pronto, matei um personagem, o livro está pronto, pode ir embora¨, porque ela reconhece ali que ta apaixonada e não vai matar quem ela realmente queria matar.

3- E a terceira dica é obviamente o final: o picador de gelo embaixo da cama.

Eu gostei bastante desse filme, e admito que a atuação da Sharon Stone é o que me fez gostar!

Histórias como essa

Vamos conversar :)

Deixe um comentário